FAQs – TUTO

FAQs

FAQs

Na Umbanda não há um credo, há a união dos credos em prol do bem da Humanidade. Na Umbanda não há um Deus, há a unificação de todos os Deuses num só Deus, numa só força, numa só energia. Na Umbanda não há um representante humano que rege e que fiscaliza, pois somente Èsù (Exú) fiscaliza e orienta.

Na Umbanda há progresso, crescimento, evolução, paz, união, caridade e amor.

No TUTO afirmamos que a Religião Umbanda segue uma filosofia Universalista, pois unifica todas as crenças filosóficas numa só, sem distinção de qualquer espécie e raça, acreditando na união em prol da Humanidade.

A nossa fé crê num só Deus, chamado Òlódùnmárè (origem Yorùbá), que criou os àwon Òrìsà (Orixás) e que estes O auxiliaram na criação do Universo, incluindo o planeta Terra e todos os seres.
Os àwon Òrìsà (Orixás) deixaram parte da sua essência neste planeta e por isso Iyemojá (Iemanjá) encontra-se representada no mar, Òsún (Oxum) na cachoeira, Ògún (Ogum) no vulcão e Sàngó (Xangô) na pedreira, mas essa mesma essência também está presente na criação do próprio Homem, moldando a sua cabeça e dando origem à sua personalidade, caraterizando a sua essência.
Os àwon Òrìsà (Orixás) são também os responsáveis por cuidar e gerir determinadas áreas da vida dos humanos, como a justiça, a família, a saúde… e por isso recorremos a eles sempre que necessitamos de auxílio em determinada área das nossas vidas.
Acreditamos também no espírito, na reencarnação, no pré-destino, nas profecias, na lei do retorno, no karma, na energia universal, no infinito, na comunicação entre o céu e a terra…

Antes de mais será importante compreender que a Religião Umbanda, instituída em 1908 no Brasil, é bem mais antiga que a sua implementação no Brasil. Com a exportação dos negros africanos para o Brasil, entre 1500 e 1900, muitas crenças, filosofias, doutrinas e rituais se misturaram e deram origem a novas doutrinas religiosas. Estes novos Templos, adaptados ao local onde se implementaram, mantiveram a sua descendência religiosa oriunda de determinada nação de África: Congo, Guiné, Nigéria, Togo, Benin, Angola…
Esta diversidade religiosa deu origem a novos Templos, onde as doutrinas e filosofias se misturaram, embora outros Templos tivessem mantido os seus rituais quase inalterados.
Outro fator importante foi o facto dos ensinamentos serem partilhados oralmente “de pais para filhos”, sem manuscritos foi mais difícil ser fiel à transmissão das doutrinas e desta forma os rituais e as doutrinas religiosas acabaram por ganhar um cunho pessoal e único de determinado sacerdote.
São estes e outros os factores que contribuíram e contribuem para que os Templos afro-descendestes (Umbanda, Camdonblé, Kinbanda…) sejam tão iguais e tão distintos uns dos outros.
O mais importante não são as diferenças ou as semelhanças que têm ou aparentam ter. O mais importante é aprendermos a respeitar e a aceitar as diferenças como uma riqueza, evitando a comparação. Pois cada Templo é um Templo, nenhum é melhor ou pior que outro e todos são importantes nesta caminhada espiritual.

Umbanda Popular – Que era praticada antes de Zélio (1908) e era conhecida como Macumba ou Candomblé de Caboclos. Nesta Umbanda podemos encontrar um forte sincretismo com os Santos Católicos associados aos àwon Òrìsà (Orixás Africanos).

Umbanda Tradicional – Oriunda de Zélio Fernandino de Moraes desde 1908.

Umbanda Branca – Nesse tipo de Umbanda, em grande parte, não encontramos elementos africanos, nem se trabalha com Exús ou Pomba-giras, também não de utilizam atabaques, fumo, imagens e bebidas. Nesta linha trabalha-se somente com Entidades de Caboclos, Pretos-velhos e Crianças. Também podemos encontrar a utilização de livros espíritas, como fonte de doutrina.

Umbanda de Mesa Branca – Este tipo de Umbanda é somente ligada aos Mentores de Cura. 

Umbanda Omolokô – Foi trazida de África pelo Tatá Tancredo da Silva Pinto. Onde encontramos um misto entre o Culto aos àwon Òrìsà (Orixás) e o trabalho direccionado das Entidades.

Umbanda Traçada ou Umbandomblé – Onde não existe uma diferenciação entre Umbanda e Camdonblé, como o sacerdote foi iniciado nas duas ora vira para a Umbanda, ora vira para o Candomblé em sessões diferenciadas.

Umbanda Esotérica – É diferenciada entre alguns segmentos oriundos de Oliveira Magno, Emanuel Zespo e o W. W. da Matta (Mestre Yapacany), em que intitulam a Umbanda como a Aumbhandan: “Conjunto de Leis Divinas”.

Umbanda Iniciática – É derivada da Umbanda Esotérica e foi fundamentada pelo Mestre Rivas Neto (Escola de Síntese conduzida por Yamunisiddha Arhapiagha), onde há a busca de uma convergência doutrinária (sete ritos), e o alcance do Ombhandhum, o Ponto de Convergência e Síntese. Existe uma grande influência Oriental, principalmente em termos de mantras indianos e utilização do Sânscrito.

Umbanda de Caboclo – Influenciada pela cultura Indígena Brasileira com seu foco principal nas Entidades conhecidos como “Caboclos”.

Umbanda de Pretos-Velhos – Influenciada da cultura Africana, onde podemos encontrar elementos sincréticos, mas também existe o culto aos àwon Òrìsà (Orixás), esta Umbanda é regida pelos pretos-velhos.

Outras formas existem, mas ainda não têm uma denominação apropriada. Diferenciam-se das outras formas de Umbanda por diversos aspectos peculiares.

A Umbanda seguida no TUTO tem sido intitulada de Umbanda Universal, baseando-se nas raízes Africanas e de todo o seu Culto e não discrimina qualquer religião. O objetivo é auxiliar todo o seu humano a ter uma vida mais equilibrada quer a nível material, quer espiritual. Reverencia os àwon Òrìsà (Orixás) e trabalha as Entidades: Pretos Velhos, Mentores de Cura, Exús, Exú Mirim, Caboclos, Boiadeiros, Marinheiros, Cangaceiros, Baianos, Malandros, Ciganos, Crianças, Xamãs e todos os espíritos de luz que trabalham através da psicografia. Os seus Rituais assemelham-se ao Culto Africano, mas os cortes realizados são feitos com Pemba e não existe matança nas sessões.

A sessão do TUTO divide-se em 3 partes:
1 – Evocação dos àwon Òrìsà (Orixás)
Na primeira parte são evocadas as energias dos àwon Òrìsà (Orixás) – água, fogo, terra e ar – através dos toques/ritmos, cânticos, rezas, danças. Neste momento lavam-se as mágoas, as fraquezas, os medos e fazem-se novas preces. É um momento de conexão com a nossa própria essência.
2 – Trabalho com Entidades
Na segunda parte, os omo (filhos, médiuns do Templo) recebem a energia dos Espíritos de Luz ancestrais para realizam passes, fazer tratamentos limpezas e dar conselhos para que a nossa vida possa ser mais equilibrada e feliz.
3 – Convívio
No final de todos os rituais oferecemos um petisco aos nossos associados e visitantes. É um momento para confraternizar.

Morada:
Rua dos Poisios, Aveiro, Portugal
Telefone:
[+351] 917193362
Email:
geral@tuto.pt
error: Não tem permissão para copiar esta página.